O objetivo do Blog é mostrar, discutir e aprender de forma sadia tudo que pode ser feito com

materiais e ferramentas simples e acessíveis. Fiquem à vontade para dar pitacos e participar.

10 de fev de 2012

Faca de Presidiário

O título não é dos melhores, mas o Cambiocó...

Também não !

É uma faquinha bem safada, que fiz algum tempo atrás, usando madeira (mas não de Pallet) e lâmina de serra Starret. A lâmina é mais grossa do que a usada no “Canivete Cambioquento”. Normalmente essa serra é usada para serrar tarugos de metal (vá em uma serralheria ou tornearia e peça uma usada. Os sapateiros usam muito essa serra para fazer as lâminas das facas para couro.

Use a boa e velha Dremel* (não comprou uma ainda ?!?) e, usando o disco abrasivo, recorte a serra no formato da faquinha.


Peque um pedaço de madeira (pode ser um pedaço de cabo de vassoura, com uns 15cm), serre de fora a fora com um serrote ou serra para ferro e use uma faca ou formão para fazer um rebaixo na parte interna do cabo para que a lâmina se encaixe
Cole um lado no outro com a lamina no meio, e cole com cola branca (pode ser Cascorez).

 Com uma Grosa, Lima, Lixa ou sei lá o quê, dê um formato para o cabo da faca


Nessa faca minha eu ainda fiz uma marchetaria de um peixe, com uma madeira mais clara. Veja o detalhe na foto abaixo:

Deixe a cola secar de um dia para o outro e afie a lâmina com esmeril, Dremel, tijolo, quina da pia, pedra ou chão.

Se vira ! Tchau !



*Leia sobre a Dremel no Cambiocó “Luminária de Lata”.

Mochila Rústica (Tosca)

Aaaaeeeee !!!

O Cambiocó da vez é uma mochila rústica (RÚSTICO = Eufemismo pra TOSCO).
Finalmente um Cambiocó que não seja feito de Pallet.

Para fazer essa mochila, eu tirei como base uma mochila da marca “Duluth” (Duluth Pack), uma empresa americana. Se quiser dar uma olhada no site deles é http://duluthpack.com/. As mochilas dessa marca são boas, geralmente de lona (ou “canvas”) e couro.

A mochila que me inspirei é a da foto abaixo, por ser aparente simples de se confeccionar.


Beleza. Arrumei um pedaço da tal lona (tente conseguir um pedaço em casas de tecidos, espumas, forros para sofá, etc...), inclusive com a cor parecida com a da foto. E uns pedaços de couro. (vá em um curtume, sapateiro, sei lá, se vira.)
Bom, pela foto acima, parece que a coisa tem basicamente o formato de uma fronha (hahaha) com dois couros com regulagem como alça e dois fechos de couro na frente.
Ah, vale lembrar que usei uma máquina de costura reta. (é fácil de mexer, é só dar uma fuçada ou pedir ajuda pra um adulto - Hahahaha !!!) É importante regular a máquina em costura Zig-Zag com pontos de mais ou menos 5mm, bem fechados. Se não souber fazer isso, pegue um pedaço da lona e vá testando as costuras até chegar nisso. A costura reta não funciona muito bem porquê esse tipo de lona desfia nos cantos, e a costura Zig-Zag “segura” a trama do tecido.

Pra começar, cortei a lona com 1,20m de comprimento por 30cm de largura se bem me lembro. Essa medida vai de acordo com cada um. Costurei um bolso interno - onde fica encostado nas costas - com uns 20x20cm (logicamente antes de fechar a mochila com as costuras laterais). Para fazer esse bolso, pegue um pedaço do tamanho que quiser e faça uma costura em formato de “U” acompanhando as bordas do pedaço de lona.
Então, dobre o tecido maior em forma de fronha de maneira que sobre uns 20cm na parte de trás para dobrar para a frente, fechando a “boca” da mochila.


Pronto, aí costure as laterais, sendo que o fundo será a dobra do tecido.
Agora arrume os couros, corte-os com estilete (ou tesoura boa) e leve para um sapateiro costurar. Veja os detalhes.


Fica legal costurar as bordas da parte de cima, que fica sobre a “boca” da mochila. Faça uma pequena dobra, de mais ou menos 1cm nas laterais, dobrado para dentro e passe a costura em Zig-Zag. Quando chegar no final das costuras, vá e volte um pouco a costura para reforçar o final dela. Normalmente as máquinas de costuras tem um botão grande e redondo do lado direito, que quando você mantém pressionado a máquina costura em “marca ré”! Na foto abaixo você entende como vai ficar.


As duas tiras de couro devem ser costuradas atrás da mochila de cima abaixo. O sapateiro ou quem costurar os couros deverá fazê-lo em costura reta, com linha de poliéster ou cordão encerado). Na parte da frente da mochila, a costura !


Arrume um par de fivelas ou fechos de metal para fechar a mochila na frente e mais duas maiores para fechar as alças atrás
Ah, eu fiz dois bolsos na frente também (costurados em “U”, como o bolso interno).
Ah, é mais ou menos isso... Manda ver.

8 de fev de 2012

Mesa Instantânea de Pallet

Saudações Cambioquentas !

Neste Cambiocó, vou mostrar como fazer uma mesa de Pallet, que não é instantânea, mas leva poucas horas para se fazer. Como há algum tempo eu não postava, esse Cambiocó é passo-a-passo ! Vamos lá !

Material:


Pelo menos 2 pallets do mesmo tamanho. Aconselho os de Pinus (pelos motivos que já descrevi nos Posts anteriores).
Dê preferência para os pallets com "pés" inteiriços, ou seja, três caibros que vão de fora a fora no Pallet. Os Pallets com cubos de madeira nos pés não serão bem aproveitados (os cubos não servirão como pés na mesa).
No decorrer do Post você vai entender o que estou querendo dizer. 


Além dos dois pallets, vamos usar: Pé de Cabra (importantíssimo para desmontar pallets), Martelo, Trena, Esquadro, Serrote e Pregos de mais ou menos 8 cm. Ao desmontar o Pallet, podemos guardar os pregos e usar na mesa, mas é sempre bom ter mais pregos, pois os que retiramos dos pallets entortam, quebram, etc.

Beleza. Pegue um dos pallets e desmonte. Muito cuidado para não quebrar as madeiras, nem desperdiçar os pregos. Use o Pé de Cabra para retirar as madeiras e o martelo para retirar os pregos. Se sentir dificuldades em retirar os pregos, use o Pé de Cabra também.


Depois de desmontar, vire as tábuas e martele os pregos até conseguir retirá-los pelo lado oposto.


Cuidado para não se furar, cortar ou ralar. O Tétano é uma doença traiçoeira e não escolhe raça, sexo ou religião !
Se precisar, peça ajuda de um adulto ! Hahahaha !!!

Beleza. Depois de desmontar completamente um dos Pallets, o que sobra é isso da foto abaixo : Três caibros, umas dez tábuas e um punhado de pregos.

  
 Agora, pegue o outro Pallet (igual ao primeiro) e com o pé de cabra retire apenas o caibro do meio. Depois retire os pregos e guarde.


Agora você tem quatro caibros. Pois bem, eles serão os pés da mesa.
Agora pegue o pallet da foto acima e vá retirando as tábuas de cima e reordenando de modo a fechar o pallet (deixar sem os vãos). Você terá que usar as tábuas do pallet desmontado. Use os pregos que retirou do Pallet. Veja na foto abaixo !


Quando terminar de pregar, pode ser que sobre um pedaço do caibro do pallet. Se isso acontecer, use o esquadro, risque e serre essa sobra.


Agora pegue mais duas tábuas e pregue nas extremidades do Pallet, de modo a cobrir o topo (as pontas) dos caibros:


Certo. Isso será o tampo da mesa.
Para fazer os pés, pegue os quatro caibros, e se necessário, tire a medida da altura que quiser e serre os caibros nessa altura. Use o esquadro para fazer a marcação em 90º.
Vire o tampo da mesa e posicione dois caibros para pregar por dentro do tampo. Use mais um caibro como apoio na extremidade dos dois que serão pregados, e use o Esquadro para alinhar os caibros na mesa. Veja nas fotos abaixo. Você vai entender !



Pregue bem as pernas no tampo. Por todos os lados. Se necessário, use pregos maiores, como informei no início do Post. 


Como os caibros que usei de pernas tinham recortes, aproveitei para fazer duas travas nos pés da mesa, pertos do chão. Isso dá uma resistência a mais na mesa no final da história.



Esses recortes nos caibros são os encaixes. Veja na foto o resultado final e as travas.


Pronto !!! É isso aí. Se fizer mais uma meia dúzia dessas, dá pra abrir um boteco !
Achou feia ? Tudo bem ? Joga uma toalha por cima que fica tudo certo !



Se quiser também, dê uma lixada, passe Seladora, Verniz, Tinta, faça Pátina Provençal (que nome bonito !), ou o que o seu coração mandar ! Como eu não tive paciência pra dar acabamento, a toalha e o enfeite de cima já me deixaram satisfeito !

Até a próxima, amiguinhos !

6 de fev de 2012

Profundezas das Cassambas

CAM
BI
O

É isso aí ! Mais Cambiocó nascendo das profundezas do lixo !

Passei na rua, e vi uns tios cortando uma árvore na calçada. Os pedaços tinham por volta de 30 de altura por 20m de diâmetro. Peguei uns dois pedaços. Coloquei no porta-malas do carro e levei para usar de bancos quintal de casa.
Cheguei lá, e com um machadinho de mão, tirei a casca dos troncos e fui pro computador  dar uma procurada na Internet umas idéias esculturas simples em madeira.
Aliás, a madeira dessas árvores cortadas em cidades normalmente é bem fácil de cortar e entalhar. Achei umas fotos de totens e corujas entalhadas. Peguei o lápis, risquei a tal coruja e com um formão, martelo, a machadinha e lixa comecei a entalhar.
Sem técnica nem paciência, fui cortando e batendo a madeira e aos poucos foi tomando forma. Isso foi o que saiu no tronco pequeno.


Na faculdade, usei a escultura como um trabalho de arte, que por sinal a professora não devolveu até hoje. E olha que isso já foi há mais de 1 ano !
Minha namorada, que tinha gostado tanto da escultura, ficou possessa com isso.
No final da história, arranjei outro toco em uma cassamba, com 40cm de altura por 30cm de diâmetro e fiz outra coruja.


Uta do Tato !

3 de fev de 2012

Pego Tranqueira Mesmo !

Nesse Cambiocó vou comentar mais um pouco sobre porcarias que acho na rua e acabo usando como matéria-prima. Por exemplo, esse banco em “L” na foto abaixo.
Perto de casa, estava eu passando tranqüilamente, e encontrei uma cama antiga (desmontada) jogada em frente a uma casa.
Peguei a cabeceira e a “pezeira” da cama, e aproveitei umas madeiras que há um tempo atrás também achei na rua (um restaurante perto do aeroporto que estavam reformando o deck, eu entupi o porta-malas do carro de tábuas).
Com pregos, cola, martelo e serrote construí o banco.
Unindo as duas partes da cama pelas extremidades, já tinha prontos os dois encostos e cinco dos 6 pés que precisam. Enfim, saiu isso aí da foto.


Depois de pronto, ainda a minha namorada fez uma almofada - usando um pedaço de colchonete e pano de uma cortina que não usávamos mais para forrar - para colocar no assento do banco.

Mais uma coisa legal que fiz há uns cinco anos atrás, logo que cheguei em Bauru foi um “vaso” de tronco de coqueiro. Um belo dia passei em frente a uma casa e estavam cortando um coqueiro bem alto. Para caber as partes do coqueiro na cassamba, os pedaços eram cortado em pedaços de cerca de meio metro. Quem já viu, sabe que a madeira de coqueiro é muito mole. Principalmente no meio do tronco, é muito fibroso, e é possível “cavar” até com uma faca.
Levei o tal toco pra casa (a pé, quase morri), com ajuda de uma faca, formão e nem lembro mais o quê, consegui escavar o tronco até uma profundidade de cerca de 30 cm e uns 15cm de diâmetro (o tronco tinha uns 30cm de diâmetro). Misturei um pouco dos pedaços das fibras que tirei do miolo do tronco com terra e plantei uma arvorezinha dentro. Ficou legal. No apartamento que eu morava na época, tinha um quintalzinho de 3x5m e o vaso ficou lá.



Bom, mais pra frente eu coloco mais uns Cambiocós feitos de lixo, tranqueiras e essas coisas que tanto nos agradam.

2 de fev de 2012

Cabo de Bassora ?!?

Cabo de vassoura. Também é uma matéria-prima gratuita e fácil de achar. Não sei se eu que tenho um olhar de catador de lixo. Mas o povo joga muita vassoura fora.
Um grande  exemplo disso é a cadeira e a rede nas fotos aí embaixo. A cadeira por sinal, achei em uma “cassamba”, mas só haviam as estruturas laterais. Aí eu juntei um monte de cabos de vassoura, serrei, furei as laterais, passei um cordão de nylon em cada lado e fiz uma “esteira” na cadeira.


A rede foi mais fácil ainda. Juntei váááários cabos de vassoura (muitos mesmo !), cortei todos ao meio, furei as laterais e passei os cordões de nylon nas laterais. Sinceramente, não ficou tão confortável igual a uma rede de tecido, mas ficou bonita e resistente. E o melhor de tudo: Não gastei nem R$5,00 para fazer. Bom, né ?!?


Só lembando, o cabo de vassoura foi usado na Banqueta Portátil (Cambiocó de Setembro). Podem ser usados como cabos de panela e ferramentas; se cortados em rodelas de 1cm de espessura podem ser usados como peças de dama, etc.
Pronto. 

Luminárias

Luminárias. Acho que são as coisas que os Designers, Decoradores e essa turminha mais gostam. Aliás, se você quer ser designer, qualquer coisa que você inventar, tem basicamente três caminhos a seguir:
Coloque uma lâmpada dentro e ela vira uma luminária;
Pendure no teto e ela vira um móbile (aliás, pra que serve um móbile ?)
Coloque pernas e vira uma cadeira.
Brincadeiras à parte, eu também já fiz luminárias. Essa aí de baixo eu fiz para o meu irmão, que estava dando um Upgrade no apê dele . A gente viu uma luminária muito legal (mas com um acabamento meio duvidoso) no Embu das Artes em São Paulo. Já viu, né: R$250,00.
A matéria prima usada era madeira (não me lembro se foi de Pallet, mas poderia ser), sisal, tinta acrílica e a parte elétrica (2 lâmpadas, 2 bocais, interruptor, fio e plug). Cobrei R$150,00 e todo mundo ficou feliz.
Fiz a estrutura de madeira (um retângulo de mais ou menos 15x15x100cm), usando cola e pregos; depois pintei de vermelho escuro (mesma tinta usada na parede do apartamento); montei a parte elétrica; e enrolei o sisal de baixo até o topo da luminária (que foi a parte mais cansativa).


Outro modelo de luminária que fiz e foi muito simples, foi uma de cabaça (purunga, porongo, cuia, sei lá). Usei uma cabaça grande (de cerca de 25cm de diâmetro na parte maior), e a parte elétrica - bocal, lâmpada, fio, interruptor e plug). Muito simples. Peguei a cabaça (é só comprar uma), lavei com sabão e palha de aço, deixei secar e passei seladora para madeira por fora.
Cortei o topo da parte mais estreita, tirei as sementes e passei um veneno de cupim por dentro (importantíssimo !), risquei o desenho por fora, e com uma serra “tico-tico” recortei a cabaça. Abaixo tem fotos de alguns modelos que fiz com cabaças.


 Abaixo tem uma de bambu. Peguei metade de um "gomo" de bambu, e com a furadeira e a serra "tico-tico" recortei a letra japonesa.


E ainda tem a luminária de lata que já detalhei aqui no blog. Lembra ?!?


Abraço !

Mais Pallets...

Voltando ao assunto de Pallets (Pallets, Paletes, sei lá), vou comentar mais um pouco sobre reutilização desse material. Recentemente, encontrei aqui em Bauru uma fonte inesgotável de Pallets. Transportadoras.
Sim, transportadoras descartam dezenas de Pallets diariamente. Conversando com um funcionário, aprendi que existem Pallets “reusáveis”, mais robustos, maiores e resistentes, normalmente de eucalipto.  Esses Pallets normalmente são da própria transportadora. Nesses casos, só são descartados caso realmente quebrem.
Os Pallets descartáveis (feitos de pinus, mais leves e menores) são descartados aos montes. Normalmente as transportadoras recebem esses Pallets de outras empresas e por questão de espaço acabam jogando fora. As vantagens desses últimos são o transporte (deite o banco traseiro do carro que cabem vários); como a madeira é mais “mole”, é mais fácil de trabalhar (pregar, serrar, lixar...); e por ser mais leve é muito melhor para fazer móveis e módulos.
Mais uma coisa de Pallet que eu fiz foi um porta objetos de costura para a minha namorada. Cabem carretéis de linhas, tesouras e outras bugigangas.


Pois é... Pallets são legais.
Ainda tenho muito assunto sobre pallets a colocar aqui no blog !

Abraços !